Sobre o Blog:
Sonhos de Letras é apenas um Blog, no meio de vários outros Blogs, no finzinho da Blogosfera, um cantinho que foi criado no dia 24 de Abril de 2014. Sonhos de Letras tem como sigla SdL, inicialmente criado para ser um daydream da vida, mas quem sabe… talvez num futuro distante, torne-se um Blog de verdade?
Ah, o nome do Blog é assim porque na cabeça de uma certa menina, os sonhos são guardados como letras numa estante conhecida como mente, ou cérebro, se preferir. 


Sobre a Sonhadora:

Não muito inteligente. Não muito bonita. Não muito legal. Não muito engraçada. Essa sou eu: não muito.

Quem escreve por aqui, sou eu. Prazer.

Me atendo pelo nome Gabriela Francine Camargo, assim como todo mundo pode me chamar do que quiser, mas estou acostumada com Gabriela ou Gabi. Nasci no sexto verão de escorpião, do último ano bissexto do século XX, e moro no interior de São Paulo, numa cidadezinha pequena que cheira à café.

É estranho tentar me descrever ou me definir em palavras quando eu mesma não sei bem quem sou. Definitivamente não sou cravo nem canela, porque o meu “ser” que tenho certeza, é que sou uma metamorfose ambulante. Prefiro não ter aquela velha opinião sobre tudo, então estou sempre buscando conhecer e compreender o mundo, ficando assim com a personalidade oscilante e em constante evolução.

Para resumir, sou uma menina tímida no começo, mas quando me sinto confortável, desando a falar rápido demais. Naturalmente estabanada, vivo complicando as coisas em nós bem embolados, adepta à simplicidade da vida, sonho com coisas fora do meu alcance e acredito em destinos - mas nem por isso deixo de lado a determinação para conseguir o que quero.

Simplesmente apaixonada por Cinema, não tenho a clássica vida de Hollywood, mas sim um roteiro e uma trilha sonora de altos e baixos, onde sou a atriz principal da minha própria felicidade, sempre atenta em guiar as rédeas do existir e viver. Faço da expressão in omnia paratus minha filosofia, passo o tempo com a fantasia de blogueirinha, me divirto sendo mini fotógrafa e totalmente aspirante à jornalista e escritorinha.

Gosto de minha enorme família e dos meus amigos, mas para obter o meu amor é bem difícil, dizem que sou extremamente analítica e bem seletiva. Dizem também que possuo gênio forte, e que minhas decisões geralmente são oito ou oitenta. Sarcasmo, ironia, honestidade e sinceridade direta é uma das características que mais me perseguem.

Justificar a vida, o universo e tudo mais através da religião infelizmente não é comigo, apesar de respeitar e querer conhecer toda a história que conceituou a doutrina religiosa, prefiro evitar essa questão na hora da discussão, assim como April Nardini, sou 60% ateia e 40% agnóstica. Apoio o feminismo sem radicalismo, prezo pela igualdade e respeito. Receio e temo pelo futuro governamental, que a cada dia parece se transformar numa Mesmice, a famosa distopia, onde todos os passos da sociedade são planejados e cronometrados numa Era de Pessoas Alienadas.

Sou viciada em salgados doces ou doces salgados, costumo fazer várias misturas entre eles e saborear a nova refeição do momento, com gostos distintos mas, que de certa forma, combinam entre si. Absorvo energia através de água ou café, mas também acho que sou capaz de recebê-la apenas observando algo que se encaixe na Sequência de Fibonacci. Adoro de coração a cidade grande e toda sua movimentação às pressas, mas também venero a natureza e almejo a paz acompanhada dos cantos dos pássaros e o cheiro que a bactéria produz quando a chuva cai sobre a terra.

Possuo uma admiração particular por mapas e por globos planetários, fascinada pela filosofia e história com um suspeito gosto de cultura, fatos esses que, estimulam o meu desejo de viajar e conhecer o mundo afora. Tenho um interesse incomum pela Escócia, por todos os clãs e kilts existentes. Levemente encantada com a língua inglesa, espanhola, italiana, francesa, latina e galesa.

Busco compreender de fato a Astronomia, mas no final sempre me pego admirando a beleza que está anos luz de nosso alcance. Acredito sim que há vida em outros planetas, por quê, como pode, na imensidão desse universo não haver vida em outros lugares? Os Lorienos me provaram isso. Às vezes, me vejo em conflito e totalmente envolvida com as teorias conspiratórias, onde a realidade é uma ilusão e o universo é um holograma.

Assim como o Percy e a America, tudo que me pertence tem um toque de azul, porque azul é a cor mais quente. De todas as flores, minha preferida é a famosa Daisy, popularmente conhecida como margaridas brancas. Sou apaixonada, basicamente, por todos animais que nesta terra estão, mas principalmente por cachorros, lobos, raposas, leões, cavalos, vaca escocesa e mini porcos.

Também gosto das coisas comuns, como livros, filmes, séries, - principalmente aqueles com um ar medieval, os clássicos e até mesmo os romances clichês. Acompanho de vez ou outra, os animes, especialmente os shoujos. Tenho uma forte admiração por fotografias e vídeos, e consequentemente por todo tipo de arte. Não entendo muito de música, mas gosto de procurar várias delas no fundo do baú, e adicionar à playlist de melodia agradável num ritmo de My Way de Sinatra e Imagine de Lennon.

Ainda assim, todos esses detalhes não definem quem sou, define?

Tentei resumir, mas acabei me empolgando e escrevendo demais. Mas ainda assim, acho que esses detalhes de minha pessoa, definem só uma parte de minha personalidade, mas não exatamente todo meu modo de pensar, agir ou como me sinto na maioria das vezes. A grande maioria dos detalhes me definem somente com gostos, desgostos, amores e desamores em relação às coisas.

Meus pensamentos, ideologias e sentimentos são tão bagunçados que ainda não consegui compreendê-los do jeito certo. Então, quem sabe que com a escrita posso arrumá-los em estantes bem organizadas e você possa me conhecer aos poucos?

Prazer, eu.


Carpe Diem

Deixe um comentário