Eu tive uma fase muito boa no mundo otaku, onde meu vício por animes era bem agradável. Conheci vários animes muitos bons que valem cada segundo de sua atenção, e não quero deixar de fora os mangás também, que geralmente contém a história abordada de uma forma mais complexa que a animação.

Para quem não sabe, “anime” é basicamente a abreviação de “animação”, e esses são bem peculiares, pois a grande maioria deles são feitos pelos estúdios japoneses, definindo assim um traço específico e sendo muito fácil de ser identificado. Já os mangás - que também são bem peculiares e específicos -, são basicamente histórias em quadrinhos de origem japonesa, com um estilo bem diferente do que estamos acostumados, já que eles naturalmente devem ser lidos de trás para a frente.

Os animes/mangás também são divididos em gêneros, e como eu estava em época descoberta no até então desconhecido estilo, o gênero/categoria que mais prendeu a minha atenção foram os shoujos. Shoujos são mais voltados para o público feminino, a grande parte deles tratam sobre complicações amorosas e emoções humanas. Se formos analisar superficialmente, diríamos que é um gênero bem clichêzinho e bobo, mas se escolhermos bem o anime/mangá, eles acabam se tornando especiais.


Os Shojous de Colegiais são bem interessantes, apesar de serem animados em um ambiente diferente, de certa forma retratam o nosso cotidiano escolar e até mesmo o dia a dia. Selecionei alguns animes/mangás que se tornaram especiais para mim, tanto por prenderem minha atenção, quanto por me identificar em alguns aspectos. Todos eles tem romance e uma pitada de comédia, mas não se trata somente disso, mesmo que implícito, eles também trabalham com empoderamento feminino, auto-aceitação, sexualidade, complexo de inferioridade, bullying, padrões de beleza, questões familiares, laços de amizade e etc. de uma forma leve e descontraída.

Listei 6 animes que tem vários desses temas no desenrolar da história, porém, eu foquei mais em escrever a sinopse generalizada, pois caso eu acabasse descrevendo as tais questões, acabaria dando alguns spoilers. Enfim, vamos aos animes!


6- Ao Haru Ride

Ao Haru Ride nos apresenta Yoshioka Futaba, uma menina com uma aparência notável, fofa e tímida, características essas que a tornavam centro de admiração dos meninos. Esse fato, por inveja e ciúmes, fez com que todas as meninas do Ensino Fundamental excluísse Yoshioka dos vínculos sociais. Antes de terminar o fundamental, por um mal entendido e problemas familiares impediram a garota de se confessar ao garoto de quem realmente gostava, ficando assim solitária até o término do colegial.

Decidida a mudar o rumo de sua vida, Yoshika estabelece que no Ensino Médio seria menos “feminina”, para assim poder fazer amigas e não ficar excluída o resto do ano. Tudo estava dando certo até o dia em que ela reencontra Tanaka Kou, o garoto por quem era apaixonada no fundamental. Acontece que Kou não é mais a mesma pessoa, além da personalidade diferente, se atendia agora por Mabuchi.

Yoshioka Futaba, se vê de volta no passado e começa a avaliar as escolhas que fez para se tornar a pessoa que é hoje, que aliás, não se sente satisfeita consigo mesma. Curiosa em desvendar o mistério que Tanaka Kou esconde em sua personalidade, ela tenta conhecer e compreender seu novo estilo de vida, porém, para isso primeiro ela terá que conhecer e compreender a si mesma.


5- Toradora!

Toradora! narra a história Ryuji Takasu, um garoto que está no segundo ano do Ensino Médio e que na maior parte do tempo vive frustrado. Apesar de ter decidido mostrar o melhor de si para as pessoas, todas as suas ações que podem ser consideradas gentis, sua aparência e principalmente seu olhar, faz com que o pareça um delinquente intimidador. Esse fato acaba com as chances de Ryuji ter amigos íntimos e especialmente, arrumar uma namorada tão cedo. Além de toda sua insatisfação no colégio, em sua casa a situação não é muito melhor, sua mãe possui um trabalho noturno e sempre está de ressaca, toda a responsabilidade de mãe e pai acaba ficando sob a obrigação do garoto.

Logo no primeiro dia de aula, Ryuji se encontra com Taiga, mais conhecida como mini-tigresa devido à sua estatura pequena e à sua personalidade extremamente mau-humorada e violenta. Todos tem medo de se aproximar da garota, a não ser sua melhor amiga Minori Kushieda. Por causa de um engano entre as bolsas na sala de aula, Taiga Aisaka coloca uma carta de amor na bolsa de Ryuji Takasu, e assim ele descobre o segredo da mini-tigresa, que a todo esforço ela tentou ocultar: ela está apaixonada pelo melhor amigo do garoto, Yuusaku Kitamura. Taiga, logo após descobrir que colocou a carta na bolsa errada, invade a casa de Ryuji e o ameaça para devolver a carta, mas no meio de toda a confusão, ela desvenda a paixão de Ryuji pela sua amiga, Minori.

O desenrolar na história é feita de descobertas, onde Ryuji descobre que Taiga na verdade é sua vizinha e mora sozinha, a garota ansiava ser independente e, assim como ele, não gostava de ser tratada como uma valentona no colégio. Ambos descobrem pontos em comum entre eles e logo se tornam amigos, ajudando um ao outro a alcançar seus objetivos e se declarar para seus respectivos melhores amigos.


4- Suki-tte Li na Yo

Suki-tte Li na Yo em um modo geral, narra mais a visão de Mei Tachibana, uma menina madura para sua idade, nada social, tímida e quieta. Ela insistia em afirmar que todas as pessoas eram falsas, e que todas as ações das mesmas eram justificadas por um propósito de interesse fútil. Como por exemplo, na visão de Mei, os alunos que frequentavam seu colégio viviam sob uma superficialidade que ela não conseguia suportar, isso devido à má experiência que teve com os amigos no passado.

Mei nunca teve uma voz ativa para expressar seus sentimentos e sua situação, somado com a sua anti-socialidade, era considerada como uma pessoa estranha, sendo assim, alvo de bullying no colégio que frequentava. No entanto, em um belo dia, Mei surpreende todos com sua tentativa de dar um belo chute em um garoto, esse chute pode ser justificado pelas provocações que recebia do mesmo, porém, fatalmente, Mei acaba errando o alvo e acertando Yamato Kurosawa, o garoto mais popular do colégio.

Yamato fica interessadíssimo na garota, logo deixando claro seus sentimentos, e Mei inesperadamente acaba retribuindo esses sentimentos amorosos. Diferentemente de outros shoujos, Suki-tte avança rapidamente na questão do romance principal, pois o foco principal não é exatamente o casal, apesar de que, de certa forma a trama começa por aí, porém o ponto é explorar mais as emoções humanas, não só dos principais, mas dos personagens secundários também. E com isso, relacionando todas as suas ações atuais com o passado que tiveram, justificando a pessoa que se tornaram hoje, e que estavam dispostas a reconhecer seus erros. A pergunta que paira é: vivemos em uma superficialidade?


3- Tonari no Kaibutsu-Kun

Tonari no Kaibutsu-Kun é um shoujo que conta a história Mizutani Shizuku, uma garota extremamente fria, insensível e objetiva. Sua única preocupação era em tirar notas boas e ser sempre a melhor aluna do colégio, para que assim pudesse viver em uma outra realidade, ter uma carreira bem sucedida e se enriquecer. Ela coloca todos os seus esforços em seu objetivo, que não tem tempo para conviver com seus amigos, e muito menos em arranjar um namorado.

Em um certo dia, Shizuku recebe uma tarefa de sua professora em troca de livros: entregar as lições escolares de Yoshida Haru em sua casa. Receosa, mas ainda assim vendo vantagem na tarefa em que foi designada, a garota aceita a proposta da professora.

Yoshida Haru é um garoto egocêntrico, com fama de badboy que se me meteu em uma briga e nunca mais voltou para o colégio. Mas a verdade é que, Haru ficou traumatizado com a escola, e devido à sua fama de estranho e violento, todos o afastava dos círculos sociais, ficando assim carente de amigos. Quando Haru percebe que Shizuku não ficou com medo de se aproximar de sua pessoa e nem interessada a forçá-lo ir para a escola, ele a toma como sua amiga. O garoto, inexperiente em convívio social, logo declara estar apaixonado por Shizuku, o que a deixa em pleno desespero.

Quando Mizutani Shizuku se lembra de que Yoshida Haru ficou em primeiro lugar na admissão do colégio, roubando assim sua entrada triunfal, sua curiosidade é despertada. Interessada em saber em como isso foi possível, já que Haru não ia às aulas e nem estudava muito, ela começa a conviver aos poucos com o garoto para conhecê-lo melhor. O que Shizuku não esperava é que Haru poderia ter a capacidade de despertar sentimentos nela, que logo a garota descobre ser amor.


2- Kaichou Wa Maid-Sama

Kaichou Wa Maid-Sama conta a história de Ayuzawa Misaki, uma personagem de personalidade forte e com um temperamento explosivo que chega a ser cômico. Misaki é presidente do conselho estudantil de um colégio, onde 80% dos alunos são do sexo masculino, muitos deles possuem comportamentos rebeldes, o que leva nossa personagem à loucura, tentando controlá-los e impondo-lhes regras para serem seguidas.

Além de toda sua tarefa árdua na escola, Misaki e sua família - composta por sua mãe e irmã -, enfrentam problemas financeiros em casa. Por não encontrar empregos que a paguem bem para poder sustentar a família, a garota precisa trabalhar meio expediente numa Cafeteria, o problema é que a gerente é uma verdadeira otaku e adora vestir suas empregadas com cosplays, principalmente as de garçonetes, deixando-as com uma imagem de descrédito.

Misaki tenta esconder seu emprego de todas as pessoas, principalmente dos alunos que frequentam seu colégio. Ela queria manter a reputação de líder exigente que tinha, a qual trabalhou durante anos para enfim, adquirir o respeito e obediência num ambiente, de certa forma, masculino. Seu plano andava muito bem sucedido, até que, Usui Takumi, o garoto mais popular do colégio, descobre seu segredo e a persegue tentando descobrir mais sobre sua pessoa e de sua personalidade diferenciada de outras garotas.


1- Koe No Katachi

Koe No Katachi é uma obra carregada de realismo, que nos apresenta uma menina com deficiência auditiva, Shouko Nishimiya, pelo ponto de vista de Ishida Shouya.

Shouko acaba de mudar de colégio, sendo assim apresentada à sua turma nova, mais especificamente na sala de Ishida. A garota, por ter uma deficiência auditiva, consequentemente não tendo a capacidade de fala, ela não é bem recebida pelos alunos, e nem mesmo pelo professor, que deveria ser o pilar de sustentação do aluno com dificuldades.

Umas das justificativas que o Ishida diz para não gostar da Shouko é: Ela me dá arrepios. Um argumento sem muito fundamento e coerência, porém o suficiente para fazer com que a garota vire alvo de bullying. Então, temos uma sala inteira praticando bullying com a Shouko,  e podemos interpretar os sentimentos da garota através de suas expressões faciais e do caderno que usa para se comunicar com as pessoas. Shouko foi resistente, apesar de tudo, se sentia somente sozinha, mas não inferior.

A humilhação chega em outro nível, Ishida, o valentão da turma o menino tirado a esperto, sempre fazendo as piores brincadeiras com a Shouko, assim como diversas outras meninas e meninos, fez com a garota fosse transferida para outro colégio. O que Ishida não esperava, era que os papéis iriam ser trocados, como diz o ditado: tudo que vai, volta. Ishida Shouya sofreu com as mesmas humilhações que antes praticava e que achava o máximo. E com toda essa experiência, o garoto adquiriu um novo ponto de vista e amadureceu.

Depois de cinco anos, Ishida e Shouko se reencontram novamente, a garota se surpreende com a nova versão de Ishida, de o garoto que a fez sofrer para o garoto que reconheceu seus erros e com um novo propósito em sua vida: recuperar de alguma forma o passado repulsivo.

Categorias: ,

Deixe um comentário