Portar um dos objetos mágicos e mais importante do mundo de Harry Potter, seria com certeza uma tentação enorme. Afinal, quem não gostaria de mudar alguma coisa no passado?

O Vira Tempo ou Time Turner (tanto faz), apareceu pela primeira vez no livro Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban. Hermione o usou para poder acompanhar todas as disciplinas de Hogwarts, mas para isso, a professora McGonagall teve que escrever muitas cartas ao Ministério e insistir para que o Vira Tempo fosse liberado à aluna. Logo mais tarde, Harry e Hermione usam o objeto à pedido de Dumbledore, para evitar a execução do Bicuço - um hipógrifo que foi acusado de atacar Draco Malfoy - e salvar Sirius Black.


Aquele momento em que você está vendo monotonamente páginas e páginas da internet e, de repente, algo fisga sua atenção. Foi basicamente assim que conheci as obras ilusórias do artista canadense, Rob Gonsalves. Suas obras me cativaram logo de cara, e cá estou compartilhando na coluna de Arte.

Para começar, o interesse de Rob pela arte e pintura surgiu durante a sua infância. Com 12 anos, ele já tinha experiências com as técnicas e perspectivas da arte arquitetônica, fazendo assim com que a ilusão de ótica tornasse a sua característica e identidade no decorrer dos anos.


Quem é você, Alasca? primeiramente me intrigou, positivamente digo, por seu título com um ar de mistério (na versão brasileira, pois o título original é Looking for Alaska, mas ainda assim, não perde tanto o ar misterioso). Uma das coisas que vieram na minha cabeça quando li o título do livro, foi a famosa pergunta filosófica: Quem somos? De onde viemos? E para onde vamos? Sei que isso não tem nada a ver com o enredo da história, mas continuemos: Milênios se passaram e ninguém chegou à conclusão alguma para essa pergunta filosófica, e tirando o fato de que, quando nos aventuramos em descobrir “Quem é você? Quem sou eu?”, no sentido mais profundo da palavra, não chegamos mesmo à uma resposta concreta além do óbvio, pois o ser humano vive em constante mudança, não sabendo identificar direito o que há em seu interior além do físico. E foi assim que me vi, saindo em busca de um grande talvez. Afinal, quem era Alasca, de onde ela veio e para onde irá?


O bordão "Meu óculos, Ninguém sai!" viralizou rapidamente pela internet, fazendo sucesso na certa. Para quem não sabe do que estou falando, confere esse vídeo aqui. Sinceramente, não tem muito o que esperar, mas os diálogos que são proferidos no decorrer do vídeo, é tão inesperado e sem sentido que chega a ser cômico.

E como aqui é Brasil, país de criatividade e zoeira, logo saiu mil coisas derivadas desse vídeo, e uma delas é a TAG Meus Livros, Ninguém Sai! criada pelo De Cara nas Letras. Essa TAG consiste em um diálogo do vídeo seguido de uma pergunta, a qual precisa ser respondida com um livro que você leu. Achei super interessante e resolvi participar também, confere!


"Ei coisinha vai devagar!" Qual o livro que você leu muito rápido, praticamente devorou?


Na maioria das vezes eu termino os livros que leio bem rápido, isso por causa da leitura dinâmica. Estou acostumada a ler os livros por linhas, fazendo com que, a leitura fique mais rápida sem que eu perca a compreensão. Mas, um livro que chamou minha atenção e me deixou sem fôlego, além de muito curiosa foi a Trilogia Jogos Vorazes. A história é tão envolvente que não consegui suportar a curiosidade, aproveitei que estava de férias e resolvi "maratonar" os três livros, terminei tudo em três dias.